António da Silva (Geraldes) e as pinturas da Capela de Porto Salvo (Oeiras)

Anunciação (pormenor)

A proximidade de Lisboa levou a Oeiras muitos pintores da capital tendo, no séc. XVII e XVIII, a nível de produção pictórica sacra, um papel de grande relevo pois era uma zona onde existiam quintas de importantes figuras da nobreza ou de ricos proprietários, tal como o primeiro Conde de Oeiras, futuro Marquês de Pombal.

Pintores como Domingos Vieira Serrão (pintor régio, ativo entre 1570-1632), Jerónimo da Silva (1700-1753) e André Gonçalves (1685-1763) são chamados a trabalhar neste Concelho. Surgem artistas de “segundo plano” como António da Silva (ativo entre 1720-1743), autor das telas de que irei tratar.

Baseando-me na Collecção de memórias relativas às vidas dos pintores, e escultores, architetos, e gravadores portuguezes, e dos estrangeiros, que estiverão em Portugal, recolhidas e ordenadas por Cyrilo Volkmar Machado[1], António da Silva (Geraldes) era um pintor do séc. XVIII, de origem oriental. Filho do chim (chinês) Alexandre Geraldes, que o nosso embaixador na China, Alexandre Metelo, no reinado de D. João V, trouxera consigo para Lisboa, depois de o converter ao cristianismo. Aprendeu a pintar com um estrangeiro e depois foi Mestre dos seus filhos João, Ambrósio José e de Nicolau Tolentino Botelho (Nicolau Preto). Sabe-se que executou um painel para a Ermida do Resgate e que pintava lâminas de cobre com imagens religiosas.

António da Silva é o pintor dos painéis da capela-mor, na ermida de Porto Salvo. A sua riqueza pictórica e a sua profunda expressividade fazem deles, painéis de um grande mérito.
Esta obra de António Silva é um dos seus melhores trabalhos, e é uma prova do seu elevado mérito artístico de que Oeiras tem o privilégio de ter e onde estas pinturas se encontram tão bem estimadas e conservadas. As quatro pinturas de António da Silva, com um programa iconográfico alusivo à vida da Virgem, existentes na ermida da Senhora do Porto Salvo, são a maior e a melhor série conhecida deste conceituado pintor, datadas de 11 de Setembro de 1743.

Programa Iconográfico dos quatro painéis da capela-mor, da igreja de Nossa Senhora de Porto Salvo

. A Anunciação

Representa o anjo Gabriel no momento que anunciava a Maria que fora escolhida pelo Senhor para ser mãe de Jesus, seu filho, de acordo com o evangelho de Lucas 1:26.
Fotografia: Francisca Branco Veiga
  • O casamento de Maria e José
Neste conjunto pictórico destacam-se três personagens: Maria, o Sacerdote e José, que se encontram no centro da cena. Ladeados por figurantes num ambiente caloroso.
Fotografia: Francisca Branco Veiga
  • A Adoração dos Pastores
O Evangelho de S. Lucas (11, 1-12) fala sobre a adoração dos pastores ao menino Jesus, tema que vai ser associado ao da Virgem Maria, no séc. XVIII.
Fotografia: Francisca Branco Veiga
  • A Adoração dos Magos
S. Mateus é o único dos Evangelistas a mencionar os Magos vindos do Oriente para adorar o rei dos Judeus (Mateus, 2, 1-12), Magos esses transformados depois pelos diversos comentadores em Reis, para conferir uma maior dignidade ao acontecimento. Tratada com mais pormenor nos Evangelhos Apócrifos, esta é a primeira teofania de Cristo, a sua primeira manifestação aos homens como Verbo encarnado.

[1] CARVALHO, Joaquim Martins Teixeira de, Collecção de memórias relativas às vidas dos pintores, e escultores, architetos, e gravadores portuguezes, e dos estrangeiros, que estiverão em Portugal.

Fotografias: Francisca Branco Veiga