IGREJA E COLÉGIO DA COMPANHIA DE JESUS, PONTA DELGADA, ILHA DE SÃO MIGUEL, AÇORES

Fotografia: Francisca Branco Veiga
Fotografia: Francisca Branco Veiga

Arquitectura religiosa educativa, maneirista e barroca. Este colégio da Companhia de Jesus, de planta rectangular regular, é composto por igreja no lado direito com zona conventual e colegial adossada.

O lançamento da primeira pedra ocorreu no dia 1 de Novembro de 1592, dia de Todos-os-Santos.

A igreja foi reconstruída na primeira metade do século XVII. Entre 1643 e 1646 foi instalado um novo retábulo na capela-mor e a nova fachada foi concluída em 1666.

Planta rectangular composta por igreja longitudinal com nave, para onde abrem três capelas à face, transepto inscrito e capela-mor mais estreita. Esta, encontra-se ornada por silhar de azulejos figurativos e retábulo-mor de talha dourada, de estilo barroco joanino, de planta côncava e três eixos, contendo trono expositivo e sacrário.

A fachada principal, com exuberantes elementos decorativos, de pedra vulcânica, encontra-se virada a Sul, simétrica, integrando o corpo e duas torres sineiras inacabadas à mesma altura. O corpo é tripartido, com três panos e igual número de andares de vãos. Com duas torres sineiras, sendo que a do lado esquerdo se encontra entaipada e formando janelas, e a do lado direito, mantendo as janelas em arco de volta perfeita, assentes em impostas salientes; a estrutura remata em cornija e platibanda.

Nesta igreja pregou o padre António Vieira, por ocasião da festa da Santa Teresa de Jesus, no dia 15 de Outubro de 1654.

Nesta Igreja dos Jesuítas fez um memorável sermão em louvor de Santa Teresa. Neste sermão ele comenta o naufrágio de que fora vítima, meses antes, na ilha das Flores. Em metáforas que apelam à emoção, Vieira inicia o sermão com a citação da passagem evangélica das dez virgens: “Quinque autem ex eis erant fatuae, et quinque prudentes”. Continuando, ele afirma: “Acaso, e bem acaso, aportei às praias desta ilha; acaso e bem acaso entrei pelas portas desta cidade; acaso e bem acaso me vejo hoje neste púlpito, que é verdadeiramente o poço de Sicar, onde se bebem as águas da verdadeira doutrina”.