Um véu de Cálice de origem chinesa no espólio de um Museu de História Natural e da Ciência

Os paramentos e as vestes litúrgicas serviram aos religiosos como um importante instrumento e método de encenação das cerimónias religiosas. Na Sessão XXII, do Concílio de Trento, tratou-se dos Cânones do Sacrifício da Missa, onde se afirmou que, aquele que «…disser que as cerimónias, vestimentas, e sinais externos que usa a Igreja Católica na celebração das Missas, são muito mais incentivos de impiedade que obséquios piedosos, seja excomungado» (Cân. VII)[1]. Para a igreja católica, as vestes representam Cristo cheio de glória e simbolizam a comunidade que crê em Cristo ressuscitado.

Frei Plácido Barroco, em 1791, afirma acerca das Vestes Litúrgicas:

«Nós contestamos sem disputa que as vestes sacerdotais, como a maior parte das Cerimónias, são de si indifferentes; mas nem por isso deixaremos de as reputar de huma necessidade absoluta; porque a nossa natureza corporea não tem quem a mova facilmente, como as cousas sensíveis. Se os sacerdotes ainda pela razão, e uso das Nações barbaras, mereceram civilmente hum traje diverso, característico da sua dignidade, que seria negallo a Igreja aos verdadeiros Ministros do Altar, principalmente nas funções sagadas, onde pedem de nós maior respeito?»[2]

Desde o século VIII com a Ordinis Romani, até ao Caeremoniale episcoporum, publicado pelo Papa Clemente VIII, em 14 de julho de 1600, assiste-se a uma normalização e consequente controlo sobre o vestiário litúrgico[3].

Foi a partir do século XVI que se normalizou as cores das vestes litúrgicas de acordo com o tempo litúrgico. Nos séculos XVII e XVIII, a opulência no luxo litúrgico igualava ou excedia a riqueza da vida profana, porque além das vestes e objetos litúrgicos a igreja investiu em belas obras de arte, feitas pelos melhores artistas, consagrando-as ao culto divino[4]. Os paramentos são elaborados com tecidos encorpados de ouro e de prata, bordados, pintados, com galões, esmaltes e pedras. Nas casulas, dalmáticas, e capas de asperges vão ser usados tecidos de seda, damascos, veludos e brocados, adaptadas à calendarização das cores de acordo com o ano e festas litúrgicas. A indumentária adaptou-se ao sagrado e utilizou os usos de uma tradição, tendo por base o traje civil de cerimónia usado pelos Romanos, como por exemplo, as dalmáticas usadas por alguns oficiais curiais, como os reis-de-armas, as passavantes, os arautos[5] ou vestes de outras origens, como por exemplo, a dalmática e a mitra que tem origem grega[6].

Relativamente à Companhia de Jesus que numa fase inicial se identificava com um total desprendimento relativamente ao aparato, com o decorrer dos tempos e devido a vários condicionalismos, mas, principalmente por razões da crescente importância da pedagogia, acabaram por investir massivamente em obras de arte. Utilizando a imagem, os jesuítas tornaram-se excelentes “educadores das almas”. Paramentaria, pintura, escultura e talha, relicários, ourivesaria e azulejaria, vão exercer sobre o homem crente um poder ilusório de proximidade com o Divino. As normas relativas à arte determinadas pela igreja pós-tridentina, viradas para a imagem e ornato, vão fazer eclodir no fiel os seus sentidos, tornando-se uma arma poderosa de propaganda religiosa.

Assim, a função dos paramentos, ricamente bordados, é decorativa, mas serve também «…de reforço do mecanismo de atração dos sentidos dos crentes»[7] e de “Propaganda” da Fé Católica onde o artista se realiza, pois, a Deus tudo é devido.[8]

As cores e as ornamentações vão variar de acordo com as diferentes ocasiões acompanhando o calendário litúrgico e renovando-se ciclicamente ao longo do ano. Importam-se as novas tendências artísticas da Europa e do Oriente exótico, exemplo dessas novas tendências é o frontal de altar e véu de cálice chinês que fazem parte do espólio que chegou aos nossos dias da Igreja do Noviciado da Cotovia (espaço atualmente ocupado pelo Museu Nacional de História Natural e da Ciência). Fausto Martins, refere um colégio de Coimbra que, em 1564, carecendo a igreja de paramentos e não se encontrando em boa situação económica, preferem esperar por um carregamento que estava para chegar da Índia e até lá iam-se remediando com a ajuda da Casa de S. Roque, de Lisboa[9].  Neste caso, é bem visível a predileção dos padres jesuítas pelo luxo que vinha do oriente. Maria Filomena Brito refere na obra No caminho do Japão: arte oriental nas colecções da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa[10], que as sedas chinesas ocupavam um lugar cimeiro nas trocas comerciais devido ao seu valor, à raridade dessas peças, à qualidade do tecido e do bordado. Além disso, o baixo custo das peças e da mão-de-obra originou um elevado número de encomendas.

No século XVII, os motivos aplicados nos tecidos portugueses são inspirados por esta cultura oriental, indiana e chinesa. Temas como a flora, a fauna e a mitologia oriental, vão ser utilizados em todas as artes decorativas e em especial nos tecidos, que depois vão ser bordados (águias bicéfalas, Lotus, naginis, etc). E assim, chegaram até nós, paramentos litúrgicos ricamente bordados com motivos orientais[11].

Tendo em conta as diversas comunidades religiosas do Padroado Português no Oriente e de um conjunto de comerciantes portugueses que faziam trocas comerciais nestas zonas, podemos “imaginar” que a circulação e utilização destas peças têxteis de manufatura chinesa seriam banais e de uso comum, mas ao mesmo tempo chegam a Lisboa – a cidade europeia mais cosmopolita[12] – como produto exótico e muito atrativo e a baixo custo, devido à utilização de mão-de-obra barata.


[1] IGREJA CATÓLICA, Concílio de Trento, 1545-1563 – O sacrosanto, e ecumenico Concilio de Trento em latim e portuguez, Lisboa, 1781, p.103-107.

[2] Plácido de Andrade, Frei,  Barroco, Dissertação sobre a origem da Veste Sagrada, Lisboa, Regia Officina Typografica, 1791, p. 2, nota 3.

[3] GUERREIRO, Jacinto Salvador, “Vestes Litúrgicas”. In Dicionário de História Religiosa de Portugal. Dir. Carlos Moreira Azevedo, Lisboa, 2001, p.329.

[4] SANTOS, Reynaldo, História da Arte em Portugal, v. II, p. 405-412.

[5] AZEVEDO, Carlos Moreira, História Religiosa de Portugal, p. 480.

[6] TAVARES, Jorge Campos, Dicionário dos Santos,p. 161.

[7] ALVES, Natália Marinho Ferreira, “Nótula para o estudo da paramentaria bracarense no séc. XVIII”. Separata da revista da Faculdade de Letras, II série,  vol. VIII, p.307-308.

[8] IGREJA CATÓLICA, Concilio de Trento, 1545-1563, O Sacrosanto e Ecuménico Concilio de Trento em Latim e Portuguez. Tradução e organização por Jean-Baptiste Reycend. Lisboa: Officina patriarc. De Francisco Luiz Amendo, 1781, Tomo 2, p.103-107.

[9] MARTINS, Fausto Sanches, A Arquitectura dos primeiros colégios jesuítas [texto policopiado]: 1542-1759: cronologia, artistas, espaços, pp.57; 91.

[10] SILVA, Nuno Vassalo e; BRITO, Maria Filomena; MORNA, Teresa Freitas, No caminho do Japão: arte oriental nas colecções da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, p. 64.

[11] SANTOS, Reynaldo dos, História da arte em Portugal, vol. II, p.418. Época alta do Noviciado da Cotovia, e da formação de noviços para as missões no Oriente.

[12] Segundo João Baptista Lavanha é para Lisboa que “…concorrem maiores bes da natureza & fortuna, que em outras muitas do Mundo (…) he hua praça universal de todo o Orbe, pela riqueza dos seus Cidadãos, frequência de varias nações que nella se juntão, & nella reside, com que parece hu Mundo abreviado”, in LAVANHA, João Baptista, Viagem da Catholica Real Magestade El Rey D. Filipe II N. S. Ao Reino de Portugal, Madrid: por Tomas Junti, 1622, p. 9.     

Véu de Cálice (MNHNC)

Véu de Cálice

Museu/instituição: Museu Nacional de História Natural e da Ciência – ULisboa

Categoria:  Têxteis

Subcategoria:  Paramentaria

Centro de Fabrico: China (Cantão)

Autor(es):   Desconhecido

Prov.: Noviciado da Cotovia

Matéria: Tecido em seda creme bordada a fio de ouro metálico e sedas policromas.

Data: séc. XVIII d.C.

Dimensões: 48,2 × 52,2 cm

Descrição: Véu de cálice em seda creme de origem chinesa, com pouca torção, com desenhos ténues de losangos, imagens de crisântemos e galhos de frutos. Com desenho de base aparente. Ponto orientado que não passa para o avesso, com contorno fixado a fio de seda.

Elaborado com fio metálico chinês, fio de seda policroma e ouro, com padrão geometrizado e motivos florais. Ao centro, inscreve-se, em cartela circular com raios setiformes, lisos e em serpentina, alternantes, a inscrição IHS, emblema dos jesuítas. Cercadura onde se desenvolve uma decoração com motivos estilísticos de origem chinesa, flores e enrolamentos fitomórficos.

Véu de Cálice (pormenor)
Véu de Cálice (Pormenor)